Negócios liderados por mulheres surgem mais por necessidade e concentram-se em menos setores

Relatório da GEM, elaborado pelo Sebrae em parceria com o IBPQ, mostra que as empreendedoras atuam mais nos segmentos de alimentação, beleza e vestuário

Quando o assunto é empreendedorismo, as mulheres ainda atuam em um universo de atividades mais restrito que os homens. De acordo com o relatório da Global Entrepreneurship Monitor (GEM) de 2020, produzido pelo Sebrae em parceria com o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBPQ) e considerada a maior pesquisa de empreendedorismo do mundo, mais da metade das empreendedoras iniciais, aquelas com empreendimento de no máximo 3,5 anos, ou seja, quase 60%, atuam em apenas seis atividades.

Ele observa que os serviços de alimentação foram as atividades com os maiores percentuais entre os empreendedores iniciais independentemente do sexo, mas que a participação feminina é notadamente maior. “Ao somar ‘restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas’ com ‘serviços de catering, bufê e outros serviços de comida preparada’, vemos que essas duas atividades reuniam cerca de 13% dos homens e cerca de 24% das mulheres”, destaca Carlos Melles, presidente do Sebrae. “Outro exemplo pode ser encontrado no segmento de ‘cabeleireiros e outras atividades de tratamento de beleza’, bem como no ‘comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios’, onde a concentração de mulheres fica em torno de 10% em cada atividade, 10,6% e 10,5% – respectivamente – acima da participação masculina”, acrescenta.

Entre as seis atividades mais escolhidas pelas mulheres ainda estão as de confecção de peças de vestuário, exceto roupas íntimas (7,3%) e a de comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal (4,7%). Ambas aparecem apenas nos grupos das empreendedoras.

Empreendedorismo por necessidade

Além das mulheres terem um universo menor de atividades em que atuam predominantemente, elas também são as que mais empreendem por necessidade. De acordo com o relatório da GEM, quase 55% delas tiveram que ir para o caminho do empreendedorismo por não encontrar outro meio para ter uma renda. Entre os homens, o empreendedorismo por necessidade aparece em 46% dos casos. “Os empreendedores do gênero masculino conseguem obter mais oportunidades para iniciar um negócio no Brasil do que as mulheres, o que pode ser demonstrado também pela maior diversificação das atividades em que atuam. Sabemos que isso é fruto de desigualdades históricas que atingem a mulher no mercado e trabalhamos para equilibrar esse cenário com programas como o SEBRAE Delas”, conclui o presidente do Sebrae.

Expo Sebrae Delas

Diante desta realidade, empresas da moda, beleza, alimentação, artesanato, decoração de festas, ateliê, calçados, comunicação visual, entre outras participarão do evento realizado pelo Sebrae-RR em parceria com a prefeitura de Boa Vista. Serão mais de vinte empreendedoras apresentando seus serviços e produtos na Expo Sebrae Delas 2021. Durante os dias 25, 26, e 27 de novembro, das 17h às 22 horas, a feirinha do Parque do Rio Branco será tomada pelo empoderamento das mulheres empreendedoras de Roraima.

As empreendedoras participantes fazem parte do projeto Sebrae Delas, programa que incentiva, apoia e fortalece o empreendedorismo feminino. A iniciativa tem o objetivo de fomentar e profissionalizar práticas empresariais e políticas públicas para valorizar as competências, comportamentos e habilidades das mulheres. Como explicou a gestora do Projeto Sebrae Delas Giodelma Andrade.

"A Expo Sebrae Delas foi criada para as empreendedoras que fazem parte do programa Sebrae Delas, para que elas possam mostrar seus trabalhos e tudo que foi construído nessa parceria entre as empresárias e o Sebrae", destacou.